Gamificação na Educação

O grande fascínio por jogos está presente em toda a nossa história, a humanidade talvez por instinto, sempre teve a necessidade de estabelecer uma competição, seja ela por necessidade ou meramente por diversão promovendo a interação entre pessoas de forma lúdica e aprimorando o conhecimento do novo e a arte de lidar com desafios. Na escola isso não é muito diferente, o jogo sempre foi um artifício de ensino, principalmente para alunos da educação infantil e primeiros anos do ensino fundamental.

O conceito de gamificação é muito mais abrangente e tem capacidade de transformar o processo de ensino-aprendizagem, especialmente em um momento no qual as práticas tradicionais de ensino são, cada vez mais, questionadas.

O termo surgiu por volta dos anos 70, quando era associado a programação e desenvolvimento de softwares. Os programadores utilizavam elementos dos games para melhorar a experiência dos usuários. Apesar do termo já existir, em 2010 o conceito ganhou popularidade e o interesse em como aplicar de forma prática e clara na educação se expandiu.

Grande parte dos jogos tradicionais e de consoles existentes, possuem um aspecto muito comum que é criar um desafio, forçando o jogador a adotar novas ferramentas, mudar seu modo de pensar e trabalhar a fim de resolver problemas diversos e promover a socialização e interação entre os participantes.

Trazendo o termo para o meio educacional, a gamificação adota a lógica, as regras e o design de jogos (analógicos e/ou eletrônicos) para tornar o aprendizado mais atrativo, motivador e enriquecedor. Muitos estudiosos avaliam a gamificação como uma das estratégias mais eficazes para potencializar o aprendizado e proporcionar  engajamento dos alunos com o curso e a própria instituição, o que em contrapartida, exige uma expertise e muita criatividade do educador para uma aplicação efetiva em sala de aula. Já para os alunos, é instigante, pois se vale de comportamentos naturais do ser humano, como a competitividade, a socialização, o desejo de ser recompensado por um trabalho bem-feito e a sensação de vitória.

O design de jogos proporciona à sala de aula um ambiente muito mais atraente e desafiador na busca pelo conhecimento, proporcionando um aumento da participação, melhora na criatividade, autonomia, diálogo e foco na resolução de situações-problema.

O mais importante é que o professor veja essa estratégia como um combustível para aprendizagem, associando os conteúdos  à missões e desafios que façam os alunos se movimentarem o suficiente para o aprofundamento nos assuntos abordados.

Alguns dos benefícios:

  1. Estimula o trabalho em equipe;
  2. Torna o ensino mais atrativo;
  3. Permite a segmentação do conteúdo;
  4. Oferece um feedback instantâneo do aprendizado;
  5. Oferece uma atitude positiva em relação à aprendizagem;
  6. Abre uma oportunidade para a transversalidade;
  7. Contribui para o desenvolvimento da habilidade analítica;
  8. Promove o desenvolvimento de competências socioemocionais;
  9. Colabora com a fixação do conhecimento por meio de canais multissensoriais;
  10. Aumenta a motivação dos alunos;
  11. Melhora as habilidades de comunicação dos alunos;
  12. Prepara os alunos para a vida.